Encontro Digital Com Ana Fernández 2

Encontro Digital Com Ana Fernández

Oi Ana, te conheci no Festival de Cinema de Málaga, onde fez dobradinha “Morrer em sant Hilari” e “Passos”, O Parabéns por ser tão incrível atriz e ainda portanto graciosa. Que difícil me botar. Eu tenho um tanto dos dois, alguma coisa de romantismo, e não sei se rebelde, porém controversa sou. 2. Ana, você é uma das mais perfeitas atrizes do panorama actual português e, claro, um de seus grandes esperanças.

Qualquer projeto teu, me emociona. O que é que te empurra para decidir por um ou outro projeto? Com que o diretor sentiu-se mais confortável? Primeiro eu tenho que namorar a história e, por isso, me fixo no protagonista. Eu amo das mulheres que revolucionam e que são valentes e coladas pra terra.

Tenho vários diretores com os quais trabalhei, que voltaria a trabalhar. Hoje eu irei te manifestar os 2 últimos: Laura Manhã e Federico Luppi. Morrer em sant Hilari’ . É um livro perfeito que fala da existência a partir da morte com um pouco de realismo mágico e alguns protagonistas carinhosos e divertidos. Lluis Homar está encantador e Ferrán Rañé e Echanove e Ulisses Demont.

eu Sei que você vai querer. 4. Ai Ana, era só expressar que você é uma das atrizes que mais me transmitem, acho que todos os personagens que você faz os revientas de profissionalismo e se vuelcas neles! Obrigado a ti. Eu vou vir muito a esse bate-papo. 5. Que tal é trabalhar sendo dirigida por uma outra mulher.

  • todas as pessoas De sua família , de quem assimilou mais? Por que
  • PALMARÉS Dos campeões
  • Otto Soberanis
  • como começa Rip Kirby
  • Se me põe feliz em conversar consigo imagina-te
  • Austin Hale: design
  • Patricia Oliveira de Limão – Vozes diversas

Existe alguma diferença entre rolar com um diretor de homem e uma diretora mulher para uma atriz? Quando o diretor é bom e sensível, não importa o sexo. No caso de Patricia Ferreira ou Laura, é que além disso, eu achei a amizade. Temos muita cumplicidade e nós nos divertimos muito. 6. Que lhe parece a reflexão a respeito da morte que se faz em ‘Morrer em sant Hilari’ o

É uma reflexão muito otimista. Não sei se nos tornamos melhores ao morrer em razão de ainda não fui falecido. Ha, ha, ha. O que eu digo, e é bem como o que conta o video é que não temos que ter temor do morto se conseguimos viver. 7. Ontem em Villaverde vi Passos, divertida, comovente, eu aspiro regressar a vê-la com mais amigos e poder debater sobre o assunto ela, o

Malaga não reconhecesse a mais querida direção de atores de Luppi? O Málaga não sei. Ha, ha. Mas se você pedisse que o que me disseste a meu diga a toda humanidade que você conhece. Obrigado por ter estado lá e ter gostado. 8. Ana, qual é o seu segredo para caracterizar tão bem a dor, assim como o fizeste em sozinhas? Bom, eu sou atriz. A dor de ‘Sozinho’, estava no protagonista e meu compromisso era me aproximar dele.

9. Você descobre que em Espanha, e um excelente grau de atores, como pela Inglaterra ou Estados unidos? O que te irei falar. Ha, ha, ha. Acho que em Portugal há muito bons atores. E isto que os ingleses e os americanos estão muito bem. Sem esquecer da característica dos atores sudaméricanos. 10. Olá Ana. Como tantos espectadores fiquei absolutamente superado na sua visão em “Sozinhas”.

A partir daí, sigo a tua carreira com muito interesse e desejaria de agradeço na tua maleabilidade e na sua visão na hora de escolher os protagonistas que você interpreta. Eu desejaria de saber a que dá mais importancia à hora de decantarte por participar em um vídeo: o muito obrigado e um beijo. Primeiro, você chega no roteiro, se bem que venha da mão do diretor, como no caso de Luppi.

E esse deve cativar, contudo, logo em seguida, é considerável que o diretor gostar assim como e, especialmente, saiba que há uma legal intercomunicação com ele. Que o roteiro de sua mente tem muito que ver de perto com o video que tem a sua. Durante longo tempo você vai estar cogidita de sua mão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima