Facebook Rompe Com Os Artigos Que Atraem Itens Indesejados 2

Facebook Rompe Com Os Artigos Que Atraem Itens Indesejados

Manchetes sensacionalistas, busca do clique descomplicado, histórias (a priori) importantes que exploram a curiosidade, tão fácil de agarrar o ser humano. Esta estratégia para gerar audiência tem os dias contados. As mídias sociais, especialmente Facebook, tornaram-se uma catapulta de tráfego web para os meios digitais de todos os tipos, no entanto certas práticas contaminaram a sua desculpa de ser. E a multinacional norte-americana não está disposta a permitir mais.

Seu propósito: afirmar-se como o destino online principal pra notícias e atualizações sociais. Não é a primeira vez que a rede social fundada por Mark Zuckerberg fornece passos para controlar este tipo de acções. Está periodicamente introduzindo alterações. Recentemente, minimizou dentro das página inicial os links a respeito do que os usuários faziam clique e veio mesmo potenciando outro tipo de conteúdos e contas de usuários em detrimento de páginas de seguidores.

Agora, é um novo episódio nessa permanente guerra. “Um dos nossos valores de fornecimento de notícias -sustentam – é gerar uma comunicação autêntica na nossa plataforma.” Por esta justificativa, decidiu-se a romper com esse tipo de acções: “Estes são os titulares que deixam intencionalmente fato capital, ou enganam as pessoas, forçando-o a clicar para ver a resposta”.

  • Fóruns: a tua Opinião a respeito do Getafe E do Zaragoza
  • Número de leads geradores a partir de uma mídia social
  • Heynckes solicitado a Floresta
  • Execução de uma campanha de Perguntas e Respostas

“) ou gera curiosidade (“Ele colocou alho em seus sapatos, antes de deitar-se e o que acontece em seguida é árduo de acreditar”) ou, como outro modelo, aqueles titulares que explicam circunstâncias improváveis (“O cão ladrão.. Deste modo, em um vigor pra cortar “clickbait” na sua rede social, o Facebook construiu um sistema que identifica e classifica tais titulares. Se poderá, desta forma, desta maneira, designar quais as páginas ou domínios website recorrem a esse tipo de práticas para classificá-los com pequeno relevância em Notícias.

A resultância é óbvia: com esta atualização, os usuários poderão ver de perto menos histórias portanto e mais daqueles que desejam ver mais acima. Mas também trará qualquer coisa mais: “A maioria das páginas não vai observar nenhuma transformação significativa na sua distribuição no News Feed como repercussão desta modificação. Contudo, os blogs e páginas que dependem dos titulares de tipo ‘clickbait’ devem aguardar uma redução do tráfego”. A multinacional conta com uma equipe de 200 pessoas que usa um sistema de classificação para determinar o que se necessita mostrar cada usuário.

porém, ainda programando seus jogos indie em paralelo com os de tua empresa, o que lhe causou dificuldades. Em 2009, abandonou Midasplayer pra trabalhar no Jalbum, um web site de álbuns fotográficos online. Aquele emprego que lhe dava um salário decente e lhe permitia usar-se sem entraves a um projeto que levava tempo a pairar na sua cabeça: Minecraft.

Chamar de “jogo” a Minecraft é continuar curto. Considerado o terceiro jogo mais comercializado da história (e o primeiro dentro do suporte Pc), Minecraft é um universo paralelo, onde os jogadores podem fazer, por intermédio de blocos aproximados aos do Lego, o que eles querem. Também é possível percorrer o lugar, combater oponentes e interagir on-line com outros jogadores. Depois de milhares de horas trabalhando, em 2009 Persson o pendurou em um website de jogos indie chamada TIGSource. Desde o primeiro instante, quis que Minecraft fora de pagamento e, além disso, chamou os usuários a discuti-lo. Para responder, se planejou um alter ego virtual: Notch.

Um personagem imponente e conversar aos gritos, ataviado com um chapéu fedora. Pouco que ver com o Markus real, descrito como introvertido e cortês. “Pareceu-Me uma pessoa calma e gentil”, ratifica Linus Larsson, que o conheceu em 2011, na primeira convenção de Minecraft em Las Vegas. O jogo agora era um enorme sucesso, Persson obteve o teu primeiro milhão de coroas suecas (em torno de 110.000 euros ao câmbio actual) e tinha fabricado tua organização, a Mojang, com dois antigos colegas: Jakob Porser e Carl Manneh.

não obstante, aquela reunião em Las Vegas o deixou boquiaberto: “Minha impressão foi que todos estavam sobrecarregados. Embora conheciam os números e sabiam que muita gente joga Minecraft, olhar milhares e centenas de pessoas a aparecer em um hotel, alguns fantasiados como seus personagens, lhes deixou quase sem frases”, lembra o jornalista.

Larsson é autor, próximo com Daniel Goldberg, de Minecraft: The Unlikely Tale of Markus ‘Notch’ Persson, (Minecraft: a improvável história de Markus Notch Persson), a primeira biografia de Markus. Embora, aparentemente, o protagonista não leu o seu livro, o jornalista continua admirándolo sem reservas: “Os jogos são lançados, graças ao serviço de milhões de pessoas em um único artefato, que custou milhões de dólares -explica-.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima