"Is Out Of Sight, Out Of Mind? 2

“Is Out Of Sight, Out Of Mind?

Em psicologia social, a preguiça social é o fenômeno de uma pessoa que faz menos esforço para atingir um intuito no momento em que você trabalha em um grupo quando se trabalha sozinho. A investigação sobre a preguiça social começou com as experiências de puxar de cordas de Ringelmann, que descobriu que os membros de um grupo tendem a se dedicar menos puxando uma corda que os indivíduos sozinhos.

Em pesquisas mais recentes, os estudos que envolvem a tecnologia moderna, como os grupos on-line e distribuídos, também mostraram uma clara evidência de preguiça social. Muitas das causas da preguiça social surgem da intuição individual de que o teu interesse não lhe importará ao grupo. A primeira procura conhecida sobre o efeito da preguiça social começou em 1913 com o estudo de Max Ringelmann.

Descobriu que, no momento em que pediu a um grupo de homens que puxar de uma corda, não era tão severo coletivamente como o faziam quando qualquer um jogava sozinho. Esta procura não distinguiu se isso era o efeito de que os indivíduos de um grupo realizaram menos esforços ou tiveram pouca coordenação dentro do grupo.

Pseudogrupos com um único membro real. Em pseudogrupos, os membros e os pesquisadores só simulando puxar a corda. Os resultados mostraram uma diminuição no desempenho dos membros, com grupos de membros que exerceram todos os esforços que sofreram os maiores descidas. Em contraste com os primeiros achados de Ringelmann, Bibb Latané et al. Mostraram isso com os olhos vendados pra estudantes universitários homens no tempo em que fazia usar fones de ouvido que mascaravam todo o ruído.

em seguida, lhes pediram que gritaran tanto em grupos reais como em pseudogrupos em que gritava sozinho, mas achavam que estavam gritando com os outros. Quando os sujeitos acreditavam que outra pessoa estava gritando, gritando oitenta e dois por cento intensamente como o faziam sozinhos, mas com outros 5, seu empenho diminuiu a setenta e quatro por cento. Em uma meta-análise de 1993, Karau e Williams propuseram o Modelo de vigor coletivo (Cem), que é usado pra gerar previsões.

  • Como descobrir a plataforma para criar um blog
  • 1 Considerações gerais
  • Terapia para maltratadores
  • Inclui a construção de um produto ou apresentação
  • Número de expressões em primeira posição
  • , Gera uma comunidade
  • 3# Link pro seu website
  • Chegar a um público mais enorme e a um gasto menor e fidelizá-los

O Cem integra as teorias da promessa com as teorias da comparação social a grau de grupo e identidade social pra dar conta dos estudos que examinam o interesse individual em ambientes coletivos. A partir de um estado psicológico, propõe que a promessa multiplicada na Instrumentalidade multiplicada na Valência do Resultado produz a Força Motivacional resultante. Karau, et al., concluíram que a preguiça social ocorreu visto que, em geral, se percebia uma contingência mais robusto entre o empenho individual e os resultados valiosos no momento em que se trabalhava de forma individual.

Quando se trabalha de modo coletiva, outros fatores determinam com regularidade, o funcionamento e os resultados avaliados assim como são divididos entre todos os participantes do grupo. Supõe-Se que todos os indivíduos tentam maximizar a utilidade esperada de suas ações. O Cem assim como reconhece que alguns resultados valiosos não dependem do desempenho. A magnitude da preguiça social corta-se para as mulheres e as pessoas de culturas orientais.

o que É mais viável que os indivíduos trabalhem quando se espera que seus companheiros funcionar bem. As pessoas diminuem a preguiça social no momento em que trabalham com conhecidos e não trabalham em absoluto quando trabalham em grupos altamente valorizados. Chidambaram e Tung descobriram que o tamanho do grupo importava muito no funcionamento de um grupo.

Quanto menor o grupo, superior a perspectiva de que participe a cada afiliado, independentemente do intervalo (disperso ou coubicado). A principal diferença instituída entre os grupos dispersos e encontrados em conjunto foi a pressão social, ao menos, para parecer ocupados, que está presente nos grupos que compartilham edifício. Quando há outros presentes, as pessoas sentem a inevitabilidade de fazer como se estivessem trabalhando duro, durante o tempo que que os que não estão na presença de outros não o fazem. Em 1985, Gabrenya, Wang e Latane constataram que, em tal grau nas culturas chinesa, como norte-americano, a preguiça social varia entre homens e mulheres.

As mulheres expressaram menos preguiça social do que os homens em diferentes culturas. Os autores alegaram que, independentemente da modificação dos papéis sociais, os papéis genéticos e históricos continuam a fazer que os homens sejam mais individualistas e as mulheres mais relacionais. Em 1999, Naoki Kughiara levou a cabo um estudo no Japão sobre o assunto as tendências de preguiça social, usando métodos parecidos ao experimento de puxar de cordas de Max Ringelmann. Descobriu que, no momento em que estava em um grupo, 40 por cento a mais do que os homens mostrava menos vigor ao realizar a tarefa do que as mulheres, e atribuía a diferença para a tendência a ter um autoconcepto interdependente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima