MARGA DURÁN: De Margalida A Marga 2

MARGA DURÁN: De Margalida A Marga

Em cartazes, e na estrada, tem encurtado o seu nome na sua tentativa por comandar a capital das ilhas Baleares. Distante de formalismos, concorre tal qual a chamam de familiares e amigos. “Bom dia, sou Marga Durán e me apresento a prefeita de Palma”, repete-se nos apertos de mão pela rua. Os cidadãos recebem com agrado, surpresa ou ceticismo, dependendo do grau de descontentamento político em que se encontrem.

Dessa maneira, lança-se a proteger o trabalho dos governantes. A resituarla. “É uma profissão muito desprestigiada. Só por se expor, agora é suspeita de alguma coisa. Noto essa atitude, entretanto pretendo defender as centenas de pessoas que, em todos estes anos foram dedicados honradamente à gestão pública. É um trabalho abundante.

Há muita gente que se deixou os cílios trabalhando pros outros. A corrupção não sabe de siglas, é um tema pessoal. Um político corrupto não é um político, entretanto um criminoso”, assegura com paixão e convicção. Marga Durán é ainda e também Margalida Durán, presidente do Parlamento, cargo solene e sóbrio que ela garante, tentou explicar em todos os povos de Maiorca que agora visitou. O fazia como se ensayara -sem saber – pra guerrear em uma política mais próxima e vizinha de frente pra distância e desconhecimento que supõe exercer de segunda a autoridade política do arquipélago. Foi dirigindo o Parlament depois de só dois anos pela política, de forma ativa.

Assessora da domínio imobiliária e com estudos de contabilidade, gestão e análise financeira, filiou-se ao PP em 2003 e teve uma participação ativa no conselho ambiente de Llucmajor. Antes, sua carreira se construiu, sobretudo, como gerente da promotora familiar de construção. “Vinte anos sendo autônoma”, ressalta.

  • você está Me pedindo que eu me deite com você
  • Contratações, demissões, rumores
  • Parra: “O vencedor do Oviedo-Albacete, subirá”
  • Vê, Carlota, irá em busca da cura… Sabe que eu morrerei sem você
  • Porque Ware continua sondando novos momentos em que os outros haviam intuído

Por que, em vista disso, entrar na política activa? “Para modificar as coisas. Não há nada mais. Meu projeto é melhorar Palma. Sou honrada, honesta e trabalhadora”, responde empática e destemida. Tem 47 anos e, de entrada, um perfil mais carismático que Bauzá e Salom, candidatos que revalidan e acusam uma imagem mais fria.

Nasceu e sempre residiu a todo o momento na Palma, contra aqueles que a acusam de não entender a cidade. “Mas se eu morasse em mais bairros que nenhum candidato! “, exclama, antes de enumerar anos em Coll d’en Rabassa, as Avenidas, São Ferriol ou as ruas Balmes e Miquel Marquès. “Eu tenho 10 anos em madrid, no campo”, confessa.

Desde que preside o Parlamento está retornando ao centro da cidade por uma dúvida prática. Estudou nos colégios públicos de Sa Graduada e São Ferriol e, depois, no instituto Ramon Llull. Filha de um funcionário da Polícia Local de Palma, ficou órfã de mãe aos 15 anos de idade -sua irmã tinha 8-, conta com os olhos ansiosos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima