'Nós Nos Uniremos A Opodo Para Crescer Na Europa' 2

‘Nós Nos Uniremos A Opodo Para Crescer Na Europa’

O setor de viagens na internet em Portugal está dobrando suas vendas ano depois de ano, apesar do teste do turismo habitual. Rumbo, de propriedade de Terra e Amadeus, prevê acompanhar crescendo no segmento online, ao agregar seus negócios com Opodo, organização há pouco tempo adquirida por seu sócio comum, Amadeus. Também, pretende entrar de cheio pela venda de reservas hoteleiras, pra que carimba a acordos com alguns estabelecimentos no ano que vem, segundo o teu diretor-geral, Ignacio Martos.

Pergunta. Você previu há algum tempo que o setor de viagens pela web ficaria nas mãos de poucos grupos e então foi. Qual é o caso real de viagem na Internet nestes momentos? Resposta. Ficámos quatro jogadores significativas: E-Dreams, Viajar, Lastminute e Rumo. Só eles dividem o mercado online. As agências usuais, mas, não tiveram um robusto impulso de vendas, uma vez que continuam a criar a sua infraestrutura de a toda a hora. Estes quatro operadores tecnológicos gerem 85% das vendas realizadas em Portugal nesse canal. você não chegam organizações interessadas no negócio português da internet?

R. o Nosso mercado não parece suficientemente atraente pra grandes empresas, acostumadas a se mover em cota de vendas na Internet do que 40%. Um negócio como o português não lhes resulta particularmente sensacional. Uma das razões é que a Europa é muito complexo pra abrir um negócio. Há 45 idiomas e uma empresa norte-americana acostumada a uma única língua custa-lhe bastante tempo de ficar aqui. Não obstante, parece que a Expedia, vai agrupar-se ao mercado português no próximo ano, o mesmo que o americano Travelocity, que queria vir a médio prazo.

não tenho dúvida que essas grandes organizações necessitam entrar no local pra ter sucesso. P. Vocês prevêem alguma aliança com essas outras empresas que vêm a Portugal? R. Há uma série de jogadores europeus, como é Opodo, que a comprou Amadeus pouco tempo atrás. Eu acredito que a Opodo, fará sua entrada em Portugal no próximo ano e faremos o possível pra que possa ser conosco. Pra essa finalidade, chegaremos a qualquer tipo de acordo. Ambos temos um sócio em comum, que é Amadeus (proprietário de 50% do curso), e o mais lógico é que nos aliemos a ele para criar o negócio de viagens.

  • Um Notas de rodapés de página
  • Como definir o meu paradigma de negócio
  • 1º – Uma conexão com a Internet
  • o que decidiu reinvestir os primeiros receitas
  • 1988-1992: Última gravação e shows de “regresso”[editar]

Não temos estabelecido nem sequer quando nem como, porém como nós nos uniremos para desenvolver-se pela Europa, sem competir um com o outro. P. A união com Opodo lhe servirá Rumo a abrir novos mercados no exterior? R. Sim. Permite o fornecimento de nosso produtos turísticos espanhóis na sua rede estrangeira, presente pela Alemanha, Reino Unido e França, principalmente. Mas também permitirá ampliar o nosso negócio trazendo turistas estrangeiros pras principais destinos de espanha.

Ainda é cedo para saber como ficará a nova estrutura comum por causa de a Opodo, acha-se em pleno processo de alteração em sua cúpula diretiva. P. Parece que assistimos a uma desaceleração do turismo usual frente ao negócio online que adora um avanço de 115%. Também vemos como é preciso um padrão que se ajuste aos novos hábitos do turista o

R. O mercado de operadores turísticos não foi o bem que seria de aguardar. O turista contrata voos económicos, há os passeios mais curtos e isto prejudica o hoteleiro. 85% dos estabelecimentos são independentes e não pertencem a nenhuma marca ou cadeia. Este percentual recebia, até nesta hora, a seus turistas pelo operador de turismo.

porém, vê-se como o canal de distribuição começa a ruir. Além disso, a adaptação ao euro tornou mais complexo a ocorrência. Neste panorama, não podemos deixar o negócio hoteleiro português nas mãos de um único comercializador, como tem acontecido até agora. Estado civil Casado, 3 filhos. Trajetória de Sua existência profissional esteve a todo o momento conectado ao negócio turístico. Percorreu diversos segmentos, todavia especializou-se em destinos (gestão de reservas de turistas estrangeiros para Portugal) no grupo Barceló, onde esteve numerosos anos, até que chegou a preencher a subdireção geral. No ano de 2000, passou a Rumbo, onde já é o diretor geral. Rumbo também está se preparando para competir neste terreno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima